PS elege dois dos três deputados de Beja à custa do PSD e CDU mantém um

O PS elegeu este domingo dois dos três deputados pelo círculo de Beja, o que não acontecia desde 2011, à custa do PSD, que perdeu o que tinha, continuando um “nas mãos” da CDU.

O PSD não elegeu qualquer deputado e os lugares por Beja na Assembleia da República foram divididos pelo PS (dois) e pela CDU (um) entre 1999, quando o círculo passou de quatro para três mandatos, e 2011.

No entanto, em 2011 e depois em 2015, os três deputados por Beja voltaram a ser distribuídos por PS, CDU e PSD.

Nas eleições deste domingo, o PS conquistou 40,71% dos votos, mais 3,42 pontos percentuais do que em 2015, e elegeu dois deputados, mais um do que há quatro anos, mantendo-se o partido mais votado no círculo de Beja.

Além de ter voltado a reeleger o deputado Pedro do Carmo, que entrou na Assembleia da República em 2015, o PS conquistou mais um lugar por Beja no seu grupo parlamentar, onde se vai sentar a número dois na lista, Telma Guerreiro.

A CDU alcançou 22,80% dos votos, menos 2,16 pontos percentuais do que os 24,96% obtidos em 2015, elegeu o deputado João Dias, que em 2018 substituiu João Ramos eleito há quatro anos e que deixou o cargo por razões de natureza pessoal e familiar, e mantém-se a segunda força política no distrito de Beja.

O PSD, que apostou num “novo rosto” como cabeça de lista, o independente Henrique Silvestre Ferreira, obteve 13,29% dos votos, menos 6,82 pontos percentuais do que em 2015.

Apesar de se manter como terceira força política, o PSD perdeu o lugar de deputado por Beja que tinha “reconquistado” em 2011, quando concorreu sozinho, e mantido em 2015, em coligação com o CDS-PP.