Presidente da AHETA demite-se por “falta de solidariedade institucional”

O líder da maior associação hoteleira do Algarve justificou a sua demissão com a “falta de solidariedade institucional” da restante direção, reiterando que as declarações feitas numa entrevista à imprensa que estiveram na origem da demissão “são verdade”.

Em causa está uma entrevista do presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas, publicada na sexta-feira, que se debruçou sobre temas como a vacinação, as dificuldades do setor, a falta de apoio à região ou a forma como os prémios sobre turismo são atribuídos.

“A minha decisão fundamenta-se na falta de solidariedade institucional dos restantes membros da direção, face à discordância de declarações que proferi a um órgão de comunicação social que, embora descontextualizadas, por serem verdade e do conhecimento público, reitero e confirmo”, afirmou Elidérico Viegas em comunicado.

O empresário vai esta segunda-feira apresentar ao presidente da Assembleia Geral da AHETA o seu pedido de exoneração das funções de presidente da direção, cargo que desempenha há mais de vinte anos, desde a fundação da associação, tendo sido reeleito, sucessivamente, desde agosto de 1995.

“Espero que os futuros responsáveis pelos destinos da AHETA saibam dar continuidade à defesa intransigente dos interesses dos empresários hoteleiros e turísticos do Algarve, bem como da região e da atividade turística em geral”, prossegue.

Após a publicação da entrevista no jornal Inevitável, foi realizada uma reunião da direção da AHETA e os restantes membros manifestaram a sua discordância com as declarações de Elidérico Viegas, considerando num comunicado posterior, no sábado, que “não se reveem nem podem subscrever” as declarações do presidente.

“Em reunião imediatamente convocada, a direção ouviu as explicações do sr. presidente e foi informada da sua intenção em se demitir deste órgão social da AHETA, demissão essa que será apresentada pelo próprio ao sr. presidente da assembleia-geral, na próxima segunda-feira, 29 de março”, referia a nota.

Os restantes elementos da direção da associação hoteleira reconheceram, no entanto, o “papel relevante” de Elidérico Viegas para a “defesa dos interesses das empresas turísticas do Algarve” e a “afirmação da AHETA como a mais influente e representativa associação empresarial da região”.

Os dirigentes que subscreveram o comunicado anunciaram ainda que vão propor à presidência da mesa da assembleia-geral da AHETA a convocação de eleições “no mais breve espaço de tempo” com o objetivo de “reforçar a capacidade de intervenção da associação, neste período crítico que as empresas turísticas algarvias estão e terão de continuar a ultrapassar” devido aos efeitos da pandemia de covid-19.

Entre esses dirigentes estão Pedro Lopes, Joel Pais, Reinaldo Teixeira, Rúben Paula, Jorge Beldade, Luís Correia da Silva, Martinho Fortunato e José Queiroga Valentim.