Movimento quer intervenção de Bruxelas para resolução de problemas do Baixo Alentejo

Uma comitiva do movimento cívico Beja Merece + vai na próxima semana a Bruxelas pedir a intervenção do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia junto do Governo português para a resolução de problemas do Baixo Alentejo.

O movimento “foi convidado pelo Parlamento Europeu, por iniciativa da eurodeputada do PSD Maria da Graça Carvalho”, a visitar as instituições europeias na terça e na quarta-feira e “com elas analisar o estado da região”, que está “no lote das mais deprimidas da Europa”, explicou à agência Lusa Florival Baiôa, do Beja Merece+.

“Vamos aproveitar a oportunidade para expor os problemas e as necessidades e reivindicações do Baixo Alentejo e pedir a intervenção do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia junto do Governo português para que resolva os problemas e responda às necessidades e reivindicações”, disse.

“A contestação das vozes” da região “não tem sido ouvida pelo Governo”, que “não atende” o Beja Merece +, disse Florival Baiôa, referindo: “Se o Governo não nos atende vamos às duas principais instituições da União Europeia, que é quem dá verbas”.

Com a ida a Bruxelas, frisou, a comitiva “quer contribuir para a solução dos problemas, para o país e para a Europa, num diálogo clarificador, técnico, social e económico”.

A retoma e conclusão das obras da A26/IP8 entre Sines e Vila Verde de Ficalho, passando por Beja, eletrificação dos troços ferroviários Beja-Casa Branca e Beja-Funcheira da Linha do Alentejo, total aproveitamento do aeroporto de Beja e melhores serviços de saúde são as necessidades “há muito” reivindicadas pela população do Baixo Alentejo e pelo movimento suprapartidário criado em 2011, disse.

Segundo Florival Baiôa, o Baixo Alentejo “precisa de melhores estradas e linhas férreas para satisfazer necessidades de deslocação de pessoas e bens e permitir condições para atrair investimentos e fixar empresas e população”.

O aeroporto de Beja está “subaproveitado” por “falta de bons acessos e estranha teimosia política”, mas “podia e devia ser complementar aos de Lisboa e Faro” e servir para estacionamento de aviões, indústria aeronáutica e alguns tipos de voos, disse.

Já os serviços de saúde da região, referiu, estão “atrofiados e depauperados pela falta de técnicos e de novas instalações”.

Segundo Florival Baiôa, a comitiva do movimento que vai a Lisboa é composta por 25 pessoas, entre representantes de várias entidades e setores profissionais do Baixo Alentejo e técnicos especialistas nas áreas das reivindicações.

O programa em Bruxelas inclui visitas ao Parlamento Europeu, debates com eurodeputados e funcionários europeus e um jantar no edifício sede da Comissão Europeia com o comissário europeu para Investigação, Ciência e Inovação, o português Carlos Moedas, natural de Beja.