Marcha lenta junta cerca de 100 veículos contra abandono de estradas

 

Cerca de 100 veículos participaram hoje numa marcha lenta no Alentejo, entre Vidigueira e Barrancos e que “uniu” também os concelhos de Moura e Mourão, em protesto contra a degradação das estradas locais, fruto de “décadas” de abandono.

 

“O que se tem feito nas últimas décadas são sucessivos remendos que não resolvem nada” e só “acentuam o mal-estar de quem conduz”, alertou o presidente da Câmara de Barrancos, João Serranito Nunes (PS), à chegada da caravana de viaturas à sede do seu concelho.

 

A marcha lenta, que decorreu durante toda a manhã, foi promovida pelos municípios de Barrancos, Moura, Mourão (PS) e Vidigueira (CDU) como forma de protesto contra o estado de degradação das estradas que servem os concelhos e “em defesa de melhores acessibilidades”.

 

Sob o lema “Juntos por melhores acessibilidades”, os participantes reivindicaram obras estruturais nas estradas nacionais 258, 385, 386 e 387 e na estrada regional 258, considerando que o estado atual destas vias “coloca em causa a segurança rodoviária” e é um obstáculo ao desenvolvimento e à captação de investimento” para os concelhos.

 

A coluna inicial da marcha lenta partiu às 09:40, de Vidigueira, e era composta por cerca de 20 veículos e, ao longo do trajeto de cerca de 90 quilómetros, com passagens por Moura e por outras localidades, viaturas dos outros concelhos envolvidos foram-se juntando ao protesto.

 

A “romaria” seguiu, em “passo de caracol”, até terminar em Barrancos, depois de juntar um total de cerca de 100 viaturas, encerrando com intervenções dos autarcas dos concelhos promotores.

 

Os habitantes, dependendo da via ou do troço, queixaram-se de traçados sinuosos, buracos e lombas nas estradas, de pisos abatidos, de bermas esburacadas ou inexistentes ou de remendos mal feitos, entre outros problemas, reivindicando obras estruturais que permitam circular em segurança.

 

Os autarcas já entregaram ao Governo um documento com várias preocupações relativas a estas estradas que servem os concelhos e reclamam ser recebidos pelo ministro da tutela.