Covid-19: Universidade de Évora adia Honoris Causa a antigo autarca Abílio Fernandes

A Universidade de Évora anunciou o adiamento da outorga do Doutoramento Honoris Causa a Abílio Fernandes, antigo presidente da câmara deste concelho, marcada para dia 25 deste mês, devido às medidas de prevenção do Covid-19.

No âmbito do plano de contingência para prevenção da transmissão de Covid-19 “foi adiada a cerimónia de outorga do Doutoramento Honoris Causa” a Abílio Fernandes, “que se realizaria no dia 25 de março”, comunicou a Universidade de Évora (UÉ) à academia, em comunicado, enviado também à agência Lusa.

Segundo a UÉ, “será oportunamente marcada nova data” para a cerimónia.

A sessão de outorga do grau de Doutor Honoris Causa pela UÉ a Abílio Fernandes, que foi presidente da Câmara de Évora durante 25 anos, entre 1976 e 2001, estava marcada para o próximo dia 25, na sala de atos do Colégio do Espírito Santo.

A reitora da UÉ, Ana Costa Freitas, em declarações à agência Lusa, a 27 de janeiro, quando foi anunciada a atribuição do doutoramento a Abílio Fernandes, disse que o autarca “teve um contributo inegável, a seguir ao 25 de Abril de 1974, para a afirmação do Poder Local”.

Além disso, sublinhou na altura, foi o autarca que “desenhou o primeiro Plano Diretor Municipal” (PDM), “levou a cultura à cidade e tornou-a acessível a todos” e participou na classificação do centro histórico de Évora como Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Atualmente reformado, Abílio Fernandes foi presidente da Câmara de Évora sempre eleito em listas lideradas pelo PCP, além de ter tido vários cargos no partido.

Depois de deixar a presidência do município, após perder as eleições para o PS, Abílio Fernandes foi eleito deputado da Assembleia da República em 2005, mas, em 2007, renunciou e passou o lugar a João Oliveira, atual líder parlamentar comunista.

O centro histórico de Évora foi reconhecido a 25 de novembro de 1986 como Património Mundial pela UNESCO.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a doença Covid-19, provocada pelo novo coronavírus que surgiu na China em dezembro de 2019, como pandemia.

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus subiu para 78 em Portugal, mais 19 do que os contabilizados na quarta-feira, existindo ainda 637 casos suspeitos – 133 aguardam resultado laboratorial – e 4.923 contactos em vigilância, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).