Covid-19: Piscicultura de Olhão oferece produção de pescado aos mais necessitados

A Estação Piloto de Piscicultura de Olhão (EPPO) anunciou que doou nos últimos dois dias 360 quilogramas (kg) de peixe produzido nas suas instalações para as pessoas mais necessitadas nesta época de pandemia do novo coronavírus.

Nesta ação de solidariedade, a EPPO ofereceu 80 kg de corvinas à Casa do Povo de Moncarapacho/Olhão, 90 kg à Casa dos Rapazes de Faro, 30 kg ao Centro de Bem-Estar Social Nossa Senhora de Fátima, em Olhão, 40 kg à Associação Verdades Escondidas, também de Olhão, 40 kg ao Centro Social Nossa Senhora do Carmo, na Fuseta/Olhão, e 80 kg à Santa Casa da Misericórdia de Moncarapacho.

Desde o dia 23 de março, a EPPO já doou 2.180 quilogramas de peixe a 15 instituições.

Segundo o ‘site’ do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), “o IPMA/DivAV dispõe de uma Estação Piloto de Piscicultura em Olhão, infraestrutura única no país, concebida para realizar investigação, desenvolvimento e demonstração experimental à escala piloto, que fomenta a transferência de tecnologia ao setor produtivo, como pilar importante na formação científica e técnica, tanto ao nível profissional como universitário”.

Esta unidade ocupa uma área de cerca de sete hectares do Parque Natural da Ria Formosa, em Marim, é composta de uma zona de maternidade (dispondo de reprodutores de nove espécies de peixes marinhos adaptadas a cativeiro), uma zona de pré-engorda e a área de engorda em tanques de terra.