Covid-19: Odemira ativa Centros de Acolhimento após 13 novos casos em trabalhadores rurais

A deteção de 13 casos de covid-19 em duas habitações de imigrantes trabalhadores rurais em Odemira motivou a ativação dos Centros de Acolhimento Temporário do concelho, confirmou à Lusa fonte do município.

Numa das habitações residiam 14 trabalhadores, dos quais 12 testaram positivo para o novo coronavírus SARS-CoV-2, responsável pela covid-19, enquanto os outros dois tiverem testes negativos, adiantou a mesma fonte.

Na outra residência onde a doença foi detetada residiam sete pessoas, uma das quais testou positivo e as restantes seis encontram-se em vigilância ativa e a aguardar resultados dos testes entretanto efetuados.

Todos os trabalhadores que testaram negativo ou aguardam resultados dos exames foram transferidos para diferentes Centros de Acolhimento Temporário do concelho, onde permanecem isolados e sob vigilância.

Desta forma, Odemira regista, atualmente, 29 casos ativos de covid-19 e 17 recuperados, de acordo com a mais recente atualização publicada pela autarquia, que adianta ainda que “não existe informação referente a nove cidadãos infetados não residentes no concelho, mas com morada oficial em Odemira”.

Apesar dos novos casos detetados nos últimos dias, “não foi ativado qualquer Plano Municipal de Emergência” no concelho, uma vez que os dois focos de infeção estão perfeitamente identificados e isolados.

De acordo com a fonte contactada pela Lusa, esta é já a quarta vez desde o início da pandemia que o município tem necessidade de ativar os Centros de Acolhimento Temporário devido a focos de infeção entre comunidades de imigrantes trabalhadores rurais, pelo que todos os procedimentos estão “perfeitamente oleados”.