Construção de novo troço ferroviário da Linha do Alentejo arranca na quinta-feira

A fase de construção do troço ferroviário Freixo/Alandroal, do Corredor Internacional Sul, que vai ligar o Porto de Sines à fronteira do Caia (Elvas), arranca na quinta-feira, com o início da instalação do estaleiro da obra.

Fonte oficial da Infraestruturas de Portugal (IP) revelou hoje à agência Lusa que a montagem do estaleiro se segue à assinatura do auto de consignação, cuja cerimónia está marcada para esta tarde, em Alandroal, no distrito de Évora.

A cerimónia “é o ato formal de início das obras”, referiu a mesma fonte, assinalando que, após a assinatura do auto de consignação, será montado o estaleiro e “as obras no terreno começam após esta fase preparatória”.

Segundo a fonte da IP, o contrato para a construção do troço ferroviário Freixo/Alandroal, no valor de 74,7 milhões de euros, foi assinado em abril deste ano com a MOTA-ENGIL, Engenharia e Construção, S.A., empresa à qual foi adjudicada a obra.

A fonte da empresa pública precisou que o troço Freixo/Alandroal, com uma extensão de 20,5 quilómetros, é o primeiro a entrar em obra dos três que compõem o novo percurso da Linha de Évora: Évora Norte/Freixo, Freixo/Alandroal e Alandroal/Linha do Leste.

O troço Évora Norte/Freixo, no concelho de Redondo, igualmente com 20,5 quilómetros de extensão, foi adjudicado em 11 de fevereiro, conta com um investimento de 46,6 milhões de euros e um prazo de execução de 540 dias.

“O novo troço da Linha de Évora, constituído pelos troços Évora Norte/Freixo, Freixo/Alandroal e Alandroal/Linha do Leste, terá uma extensão total de cerca de 100 quilómetros, 80 dos quais de construção nova, em via única eletrificada (25 kV-50 Hz) sobre plataforma para via dupla, balastrada com carril UIC60 e travessa de betão polivalente (preparada para receber a bitola europeia)”, explicou anteriormente a IP.

A empreitada do troço Freixo/Alandroal, desenvolvida no âmbito do programa Ferrovia 2020, envolve, entre outros trabalhos, a construção da infraestrutura de via-férrea, incluindo terraplenagem e sistema de drenagem e a criação de uma estação técnica.

Além disso, vão ser construídas cinco pontes (com extensões que variam entre os 148 metros e os 664 metros) e quatro viadutos ferroviários (entre os 310 e os 614 metros de extensão), assim como 16 obras de arte para a criação de desnivelamentos rodoviários.