Conferências em Montemor-o-Novo sobre oportunidades em Portugal

Foto: Orlando Joia

“Temos e Não Sabemos” é o título das conferências que arrancam, este sábado, em Montemor-o-Novo, promovidas pela estrutura transdisciplinar O Espaço do Tempo, do coreógrafo Rui Horta, centradas num “olhar positivo” sobre as oportunidades do país.

“Temos, de facto, um país com possibilidades inacreditáveis e não sabemos. É como termos um tesouro e não sabermos que o temos, porque temos uma venda à frente dos olhos”, afirmou à agência Lusa o responsável do centro artístico e cultural O Espaço do Tempo, sediado em Montemor-o-Novo.

Segundo Rui Horta, este ciclo de conferências, que começa no sábado e se prolonga até 27 de junho, constituído por sete sessões, cada uma dedicada a um tema ou oportunidade existente no país, pretende mostrar que “a solução” para “rentabilizar” as possibilidades de Portugal passa pela cultura, educação e qualificação das pessoas.

“O que nós dizemos é que temos e não sabemos e que a solução é mesmo cultura, educação, abertura de horizontes, qualificação das pessoas porque, senão, nunca vamos conseguir rentabilizar este país extraordinário que temos”, frisou.

O ciclo vai ter lugar na Oficina Magina, atual “casa” provisória da estrutura O Espaço do Tempo, enquanto decorrem obras na sua sede, o Convento da Saudação.

A organização explicou que as conferências decorrem mensalmente, sempre a um sábado de manhã, conduzidas pela jornalista Ana Sousa Dias e com a participação de diversos oradores. Após pequeno-almoço, café e leitura de jornais, a partir das 10:00, cada sessão começa às 10:30 e decorre até às 13:30, incluindo diálogo com o público.

“Portugal na terceira década do milénio” é o tema da sessão deste sábado, com a diplomata e ex-eurodeputada Ana Gomes, o filósofo e professor universitário Viriato Soromenho Marques e o professor universitário e jornalista António José Teixeira.

O ambiente (15 de fevereiro), o clima (21 de março), o setor empresarial e industrial (04 de abril), a ciência e tecnologia (16 de maio), a cultura (06 de junho) e a demografia (27 de junho) são os assuntos em foco nos outros debates programados, com outros especialistas.