Castro Verde e Ourique criticam “degradação” dos serviços dos CTT

Os municípios de Castro Verde e Ourique contestaram hoje a “degradação” dos serviços prestados pela empresa CTT nos dois concelhos e exigiram que sejam normalizados e melhorados e a intervenção da entidade reguladora.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Câmara de Castro Verde manifesta “profundo desagrado e preocupação com a acelerada degradação dos serviços” prestados pela empresa privada CTT – Correios de Portugal no concelho e que, “nas últimas semanas, se agravou de modo inaceitável”.

Atualmente, é “evidente” a “fragilidade do serviço” na Estação de Correios de Castro Verde e a “distribuição de correspondência” é “irregular e tardia” nesta vila e regista “graves problemas” por “não estar a ser assegurada com normalidade, muito longe disso”, nas freguesias do concelho, relata o município.

A Câmara de Castro Verde “rejeita totalmente a situação”, exige aos CTT que “reponha urgentemente os serviços com normalidade” e já pediu reuniões à administração da empresa e ao Ministério das Infraestruturas e está a preparar uma exposição sobre o problema à ANACOM – Autoridade Nacional de Comunicações.

Já o município vizinho de Ourique, também em comunicado enviado à Lusa, refere que enviou cartas à administração dos CTT e ao Governo e uma reclamação à ANACOM a “protestar” pela “degradante e insustentável falta de qualidade do serviço postal prestado” pela empresa no concelho.

Na reclamação enviada à ANACOM, a autarquia de Ourique denunciou “os casos particularmente graves” registados no concelho de “atrasos na distribuição de pensões e reformas” e de “entrega de diversas cartas de serviços essenciais fora de prazo, incluindo o serviço de distribuição das faturas da água contratado pelo município à empresa privada” CTT.

A Câmara de Ourique refere que “continuará a exigir uma melhoria do serviço postal prestado” no concelho e “a intervenção corretiva” da ANACOM, “a quem compete fiscalizar o cumprimento das obrigações da concessão”.

Segundo o município de Ourique, desde 2013, quando o Governo PSD/CDS-PP privatizou a então empresa pública CTT, que “garantia a distribuição de correio” em Portugal, que se tem “assistido a uma crescente degradação do compromisso territorial do serviço postal universal, com várias expressões”, como encerramento e posterior transformação de estações dos CTT em postos ou balcões e a “deterioração dos ritmos e da fiabilidade da distribuição da correspondência aos destinatários”.

“O serviço postal universal prestado pela empresa privada CTT – Correios de Portugal atingiu um nível de degradação nunca antes visto”, lamenta a Câmara de Ourique.