BE contra prospeção de ouro e outros minerais no Alentejo

O Bloco de Esquerda (BE) manifestou-se contra a prospeção de ouro e outros minerais nos concelhos de Évora, Montemor-o-Novo e Vendas Novas, requerida por uma empresa sediada nos Emirados Árabes Unidos.

“É uma região que tem uma presença muito forte de montado e um sistema ecológico próprio, sensível e importante” e a abertura de uma mina a céu aberto teria “um impacto brutal”, alertou o deputado bloquista Pedro Soares.

O deputado do BE falava à agência Lusa a propósito de uma pergunta que dirigiu ao Ministério do Ambiente e da Transição Energética sobre o pedido de prospeção e pesquisa feito pela Exchange Minerals Ltd.

No aviso publicado em Diário da República (DR), em maio, pode ler-se que a empresa “requereu a atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de ouro, prata, cobre, chumbo, zinco e minerais associados, numa área denominada ‘Montemor'”.

Segundo o documento da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), o pedido de prospeção, que está em consulta pública, abrange uma área total de cerca de 410 quilómetros quadrados nos concelhos de Évora, Montemor-o-Novo e Vendas Novas.

O deputado do BE notou que a área geográfica do pedido “coincide, pelo menos uma parte, com uma outra prospeção feita anteriormente” pela Eurocolt, do grupo canadiano Colt Resources, que tinha a expectativa de abrir “minas a céu aberto”.

“Essa prospeção anterior foi autorizada contra a vontade das autarquias e das populações e, entretanto, foi abandonada”, assinalou, referindo que os trabalhadores ficaram “com salários em atraso”.