Alentejo lidera em olival e produção de azeitona e azeite em Portugal

O Alentejo tem a maior área de olival e é a região que mais azeitona e azeite produz em Portugal, graças ao regadio do Alqueva e à transformação de olivais tradicionais em modernos, segundo um estudo.

Trata-se do estudo “Alentejo: A Liderar a Olivicultura Moderna Internacional”, que foi realizado por duas consultoras, apresentado esta terça-feira em Beja na 6.ª edição das Jornadas da Olivum – Associação de Olivicultores do Sul.

O regadio do Alqueva permitiu reconverter o olival tradicional em moderno e, “do ponto de vista económico, assistimos a uma verdadeira revolução”, já que, “em poucos anos”, a cadeia de valor do azeite “mais do que triplicou” e “passou a valer cerca de 450 milhões de euros”, diz o estudo.

O Alentejo, frisa o estudo, “tem-se afirmado como a referência mundial no processo de modernização e de inovação da olivicultura, o que tem permitido colocar a região no centro das atenções do mundo agrícola”.

A maior parte (84%) do olival existente na zona do Alqueva concentra-se nos concelhos de Beja (18.834 ha), Serpa (14.115 ha), Ferreira do Alentejo (7.042 ha), Vidigueira (3.891 ha) e Moura (2.530 ha).

No âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020, até fevereiro de 2019, o investimento em olival representava 64,39% do investimento agrícola total realizado no Alentejo.