Alentejo e Algarve querem centro que investigue agricultura e ambiente no Mediterrâneo

Quatro centros de investigação do Alentejo e Algarve “juntaram esforços” e querem criar um centro único especializado em investigar temas de agricultura e ambiente no Mediterrâneo, para responder a novas necessidades face às alterações climáticas.

“Estes quatro centros atuam em áreas complementares e, como somos todos focados sobre sistemas do Mediterrâneo, achámos que faria sentido juntarmos esforços”, destacou hoje à agência Lusa Teresa Pinto Correia, diretora do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM) da Universidade de Évora (UÉ).

O projeto do centro MED – Mediterranean Institute for Agriculture, Environment and Development, já candidatado à Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a ser aprovado, irá permitir aos quatro centros envolvidos “aumentarem a sua massa crítica e o tipo de sistemas acerca dos quais podem dar resposta em termos de investigação”, acrescentou a responsável.

A criação do MED (que em português pode ser traduzido como Instituto para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento no Mediterrâneo) é fruto de uma parceria entre três centros de investigação alentejanos e um algarvio.

Do Alentejo, a iniciativa tem a participação do ICAAM e do Polo de Évora do Cibio – Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, ambos da UÉ, assim como do Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo (CEBAL), localizado em Beja.

O MeditBio – Centro para os Recursos Biológicos e Alimentos Mediterrânicos da Universidade do Algarve é a outra unidade de investigação participante no projeto.